Derretimento de gelo na Groenlândia tem taxa recorde em 12.000 anos

O estudo recente responsável pela informação, foi publicado na revista Nature no último dia 30 de setembro. Nele, cientistas advertem sobre as futuras perdas da camada de gelo, cuja proporção depende da rapidez que a humanidade corta as emissões de carbono nos dias atuais.

A vasta camada gelada da Groenlândia está derretendo e, com isso, apresentando as taxas mais rápidas dos últimos 12.000 anos. Portanto, este número pode quadruplicar nos próximos 80 anos se as emissões de gases de efeito estufa não diminuirem drasticamente nas próximas décadas.

Dados de amostras antigas da camada de gelo possibilitaram a reconstituição da história da Groenlândia nos últimos 12.000 anos. A partir destes modelos, também foi possível prever como este manto de gelo pode mudar em diferentes cenários climáticos.

Na imgem aérea, um lago de água derretida alimenta um canal esculpido na camada de gelo da Groenlândia, em 4 de agosto de 2019.
Crédito: Sean Gallup

Antes da era industrial, as maiores taxas de perda eram de aproximadamente 6 trilhões de toneladas de gelo em um único século, isto é, muito semelhante à taxa atual. Porém, como o clima continua a aquecer, essas taxas tendem a aumentar. A proporção, dependerá do quão rápido o clima aquece.

Possíveis cenários climáticos no futuro

Foram examinados dois possíveis cenários climáticos futuros. O primeiro pressupõe que os humanos conseguem manter as temperaturas globais em cerca de 2 graus Celsius de seus níveis pré-industriais. Nesse cenário, a Groenlândia provavelmente ainda perderá mais de 8 trilhões de toneladas de gelo ao longo do século. A taxa continua sendo a mais rápida do que em qualquer outro momento nos últimos 12.000 anos.

O segundo cenário assume altas taxas de emissões de gases de efeito estufa, semelhantes às emissões de hoje, para o resto do século. Se isso acontecer, os modelos sugerem que a camada de gelo pode perder de 14 trilhões a 36 trilhões de toneladas de gelo ao longo deste século.

Com isso, os pesquisadores estão cada vez mais certos de que estamos prestes a experimentar taxas sem precedentes de perda de gelo da Groenlândia, a menos que as emissões de gases de efeito estufa sejam substancialmente reduzidas.

Consequências da perda de gelo na Groenlândia

A Groenlândia já é o maior contribuinte para o aumento global do nível do mar. A diferença em 20 trilhões ou 30 trilhões de toneladas extras de gelo entre agora e o final do século pode chegar a vários centímetros de elevação do nível do mar em todo o mundo. A proporção dessa perda de gelo pode fazer uma grande diferença para as comunidades ao redor do mundo por meio desse efeito.

Além disso, existem também outras consequências. O influxo de água derretida fria e fresca vertendo para o mar pode ter efeitos de longo alcance na estrutura, bem como no fluxo das correntes oceânicas e em como trocam calor com a atmosfera. Portanto, isso pode afetar os padrões climáticos em todo o mundo.

O novo estudo reitera que prevenir o pior dessas consequências requer esforços rápidos e rigorosos.

  • Post last modified:02/10/2020
  • Reading time:3 min(s) read